Home » Tipos de Câncer » Cabeça e pescoço
Cabeça e pescoço

Cabeça e pescoço

Os tumores de cavidade oral, língua, faringe, laringe e outras estruturas da região frequentemente requerem tratamento cirúrgico extenso e às vezes deformantes.

A quimioterapia e radioterapia poderão ser associadas, melhorando a sobrevida do paciente, porém criando complicações adicionais.

Alguns pacientes necessitam também de uma traqueostomia (tubo na garganta para respiração) temporária ou permanente, que é desconfortável e pode interferir com a deglutição.

A ingestão dos alimentos, sua mastigação e deglutição poderão ficar dificultadas, dolorosas ou mesmo impossíveis. Tosse, engasgo e aspiração de alimentos para os pulmões são possíveis, com eventual pneumonia. Este fato gera danos para o estado nutricional, razão porque uma atenção precoce e permanente é indispensável.

As intervenções nutricionais mais úteis são dieta oral ajustada às condições de tolerância, suplementos orais calórico-proteicos e dieta de sonda (nutrição enteral).

Esôfago

Esôfago - Cabeça e pescoço

Esta é uma situação onde a deglutição dos alimentos costuma ser precocemente comprometida. Dor e regurgitação também são sintomas frequentes, além da possibilidade de aspiração de alimento ou líquido para os pulmões, principalmente deitado à noite.

O tratamento cirúrgico requerido é usualmente de grande porte, com uma recuperação prolongada. Não é incomum que o paciente permaneça com um tubo temporário para alimentação (gastrostomia, jejunostomia) após a operação. A quimioterapia e radioterapia poderão ser associadas, melhorando a sobrevida do paciente, porém criando complicações adicionais.

As intervenções nutricionais mais úteis são dieta oral ajustada às condições de tolerância, suplementos orais calórico-proteicos e dieta de sonda (nutrição enteral).

Dieta de sonda e gastrostomia no câncer de cabeça e pescoço

Alguns pacientes com este tipo de enfermidade maligna poderão necessitar de dieta de sonda temporária (sonda nasogástrica) ou de longa duração (gastrostomia).

Nestes casos uma dieta enteral é prescrita pelo profissional da saúde, para ser administrada pelo paciente ou cuidador.

Um serviço de atendimento domiciliar (home care) também poderá ser utilizado, assim como também é recomendado um protocolo de acompanhamento a longo prazo, incluindo anotação semanal do peso corporal, registro diário do consumo de dieta e exames de sangue periódicos.

A perda de peso ou intolerância à dieta administrada são relevantes e devem ser discutidos com o profissional da saúde.

Veja também


Subir a página