Home » Alimentação em Câncer » Porque o câncer favorece a desnutrição
Porque o câncer favorece a desnutrição

Porque o câncer favorece a desnutrição

Por que provoca a desnutrição?

As enfermidades malignas afetam o estado nutricional de várias formas, que serão abordadas a seguir. Elas abrangem efeitos diretos sobre os órgãos do sistema digestivo digestório (obstrução, sangramento, diarreia, dor), efeitos indiretos inespecíficos (mal-estar, inapetência, debilidade, aversão alimentar) e eventos adversos indiretos mais específicos (diarreia, vômitos), além da competição por nutrientes entre tumor e o paciente.

Repercussões indesejáveis do câncer sobre o estado nutricional

Fatores que contribuem para diminuição da ingestão nutricional Cirurgia Quimioterapia Radioterapia
Anorexia X X
Fadiga X X X
Alterações paladar e olfato X X X
Saciedade precoce X X
Estomatite X X
Esofagite X X
Xerostomia (boca seca) X X
Disfagia X X
Odinofagia (deglutição com dor) X X
Estenoses X
Fistulas X X
Diarreia X X X
Obstrução X
Mucosite X X

Prevenção e tratamento da desnutrição no paciente com câncer

Há mais de meio século se reconhece que o paciente com câncer que emagrece de forma involuntária (perdedor de peso) apresenta menor perspectivas de se beneficiar contra o câncer, que aquele que mantém ou aumenta seu peso corporal (não perdedor).

A qualidade de vida, a tolerância e a resposta aos tratamentos administrados, e em muitos casos também a sobrevida, estão diretamente subordinadas a um estado nutricional satisfatório. Neste sentido, justifica-se uma preocupação permanente com a adequação nutricional um indivíduo com diagnóstico de câncer.

Melhora do estado funcional (capacidade de se locomover, realizar tarefas do cotidiano)
Melhora da força muscular
Combate à caquexia (consumo acelerado dos tecidos do organismo)
Melhor tolerância à cirurgia
Menos interrupções da quimioterapia e radioterapia
Melhora da qualidade de vida
Melhora da sobrevida

Opções de tratamento nutricional no câncer

A assistência nutricional no câncer deve se iniciar assim que tal diagnóstico é feito. Uma vez comprovado este diagnóstico, convém investigar e corrigir eventuais deficiências nutricionais como anemia, falta de proteínas (hipoalbuminemia) e carências de vitaminas e minerais.

Uma dieta completa e equilibrada, orientada por um nutricionista, é um elemento central para esta estratégia. Sobretudo, para a prescrição e adequação de nutrientes específicos para a nutrição do paciente

Dieta oral completa e balanceada
Suplementos orais especializados (líquidos ou em pó)
Suplementos vitamínicos e minerais (orais ou injetáveis)
Nutrição enteral (dieta por sonda)
Nutrição parenteral (nutrição por via venosa)
Esquemas mistos (recorrendo a mais de uma alternativa)

 

Recursos auxiliares para uma alimentação satisfatória no câncer

Feridas na boca e garganta (mucosite) Alimentos de consistência branda (pudins, gelatinas, sorvetes)
Beber líquidos de canudinho
Aplicar pomada anestésica local antes das refeições
Secura de boca e garganta Goles líquidos frequentes
Limão e limonada
Saliva artificial
Gargarejos com antissépticos
Enxaguatórios bucais
Alteração do paladar (disgeusia) Aromatizantes (baunilha, molhos, temperos, cítricos)
Evitar açúcar e doces
Dificuldade de deglutição (disfagia) Pastosos e líquidosDieta de sonda;
Náuseas Bebidas frias ou geladas
Sorvetes
Comer pequenas porções e com horários mais fracionados
Evitar líquidos nas refeições principais
Usar medicação caso persistam
Chá de gengibre
Saciedade precoce
Falta de apetite
Alimentos e suplementos de alta densidade calórica e proteica, como os carboidratos (raízes, massas, cereais, ovos, iogurtes, etc)
Suplementos calórico-proteicos enriquecidos com ácidos graxos omega-3.
Perda de peso acelerada
Obstipação (intestino preso) Fibras naturais (legumes, verduras e frutas, com casca e bagaço)
Frutas desidratadas (ameixa)
Cereais integrais
Suplementos industrializados de fibras;
Má absorção (gordura nas fezes) Dieta pré-digerida (dieta peptídica)
Suplemento de enzimas digestivas
Diarréia Eliminar fibras insolúveis, pois são mais laxativas (as verduras em geral)
Aumentar fibras solúveis (banana, farinha de aveia, arroz bem cozido)
Usar medicação antidiarreica, com orientação médica, caso persista
Ileostomia Colostomia Mesmas recomendações da diarreia, se o aspecto for líquido
Suplementação de vitamina C, B12, sódio, potássio, magnésio, cálcio
Atrofia muscular
Fraqueza
Suplementos calórico-proteicos enriquecidos com proteína
Fraqueza
Dificuldade na cicatrização Suplementos calórico-proteicos enriquecidos com arginina e zinco
Úlceras de pressão (escaras)
Infecções

Veja também


Subir a página